PROA | Praticagem dos Rios Ocidentais da Amazônia

Facebook Twitter

24 anos de segurança da navegação nos Rios da Amazônia Ocidental

Cabeçalho

Proa Manaus

Embarque do Prático em Itacoatiara (Max, 2008)
A PROA, Praticagem dos Rios Ocidentais da Amazônia, foi fundada em 10 de Janeiro de 1993.

É composta por 15 Práticos, aprovados em concurso realizado pela Diretoria de Portos e Costas - DPC, órgão da Marinha do Brasil, encarregada de supervisionar os serviços de praticagem em todo o país.

Está sediada na Cidade de Itacoatiara - 270 quilômetros de Manaus e a 102 milhas náuticas nevegando-se pelo Rio Amazonas. Possui uma Filial em Manaus, localizada na Avenida Djalma Batista, nº 1.719 – Sala 1806 – Atlantic Tower – Chapada – CEP: 69050-010, que facilita as movimentações nos portos localizados na região centro-oeste na cidade(Roadway, Torres, Moageira, Porto Chibatão e Superterminais).

Para o embarque e desembarque de Práticos possui suas próprias lanchas de prático e lanchas de apoio, todas em processo contínuo de manutenção, garantindo suas homologações, as quais são supervisionadas pelo Conselho Nacional de Praticagem – CONAPRA – através de seu Conselho Técnico, formado por profissionais com treinamentos, cursos e palestras em órgãos como a IMO (International Maritime Organization – Londres), CIAGA (Centro de Instrução Almirante Graça Aranha – Rio de Janeiro), IMPA (Internacional Maritime Pilots Association - Londres) e Port Revel (França) entre outros.

A PROA possui um quadro de 22 colaboradores, atuando nas áreas administrativas e operacionais, em sua maioria por profissionais com nível superior e outros com grande capacidade de decisão e habilitados a exercer suas atividades com a máxima segurança e profissionalismo.

Flutuante de apoio no Encontro das Águas e Botes de sondagens (Max, 2007)Suas Atalaias assim localizadas: uma na cidade de Itacoatiara, em ponto estratégico com visão total dos pontos de embarque e desembarque dos Práticos, equipada com rádios VHF e HF, computadores on-line, gerador de emergência, estação meteorológica, salas de estar e lazer, bem como acomodações de repouso dos Práticos; e outra localizada na capital do Estado Amazonas, Manaus, as margens do Igarapé de Educandos, de onde controla a logística necessária ao atendimento do serviço de praticagem em toda a Região Amazônica Ocidental, que abrange a cidade de Itacoatiara até a fronteira com Peru e Colômbia, na cidade de Tabatinga.

Além de suas Atalaias, a PROA possui também um flutuante de apoio nas proximidades do Encontro das Águas, ponto turístico mais visitado do estado, que abriga 4 (quatro) botes de sondagem, que permitem agilidade para os deslocamentos para os portos da região leste da cidade (Terminais da REMAN e Porto Vencemos).

A PROA é a única empresa de Praticagem na Amazônia Ocidental equipada com duas Atalaias devidamente homologadas pelo órgão nacional de Praticagem - CONAPRA - e pela Autoridade Marítima, com todos os equipamentos e lanchas exigidos pela legislação brasileira.

Treinamento dos práticos em modelo reduzido no Port Revel - França (Miranda, 2007)Investindo substancialmente em tudo aquilo que pode trazê-la à vanguarda dos acontecimentos importantes no seu segmento de atividade, Mantém seu sistema de prontidão durante os 365 dias do ano e às 24 horas do dia, para melhor atender os tomadores do serviço de praticagem e fornecedores. Para tanto, possui sistema de comunicação via SSB, e via satélite (globalstar, iridium e inmarsat began) para um monitoramento dos navios que navegam ao longo do Rio Solimões e seus tributários; Sistema de VHF que abrange perfeitamente o trecho entre Manaus e Itacoatiara, mantendo, assim, atualização constante do ETA (hora estimada de chegada) do navio, beneficiando, desta maneira suas programações.

No sentido de aprimorar o serviço prestado a PROA continuamente investe em treinamentos, equipamentos, formação, e aprimoramento das observações sobre a natureza amazônica, com o objetivo inalienável de redução de riscos sobre a navegação, a vida humana e o meio ambiente, mantendo os valores éticos que se requer de serviço de tamanha importância a toda a sociedade Amazônica.